Sobre vontade e potência

Tenho feito dessa afirmativa, de diferentes formas em diferente contextos, talvez a minha principal “marca” no mundo: faz o que é tua vontade!
O que, num primeiro momento talvez pareça o slogan de um produto do capitalismo, demanda um complexo processo de auto-observação*: o que faz de mim um ser singular e o que se destaca entre meus intentos para que eu venha a fazer (e a ser) isso e não aquilo. E vir a estar/participar deste outro de outro lugar, contexto, encontros…
Repito esse exercício de afirmação em favor da diferença. Pelo que de potente há em cada um, em suas singularidades, e que produza efeitos alegres nos espaços de partilha. Mas sinto que essa questão tende a ser mal compreendida. Talvez isso se dê justo por essa cooptação do capitalismo que transforma até as mais antigas questões filosóficas, e um complexo problema existencial, em comercial de sabonete. Por essa via também se reforça um discurso de liderança, de autonomia, de ser diferente como algo da ordem do especial, belo, espetacular, superador dos limites, vencedor, o cara, a tal, beijinho no ombro de Apolo. Então, quando se coloca a questão “qual sua vontade?”, logo vem um “ser feliz”, “vencer na vida”, e todo um apanhado de modelos.
Voltando à minha contribuição para a questão e trazendo como referência o NECITRA: algumas vezes na repetição (não somente por mim) sobre a importância de entender quais são as vontade de cada um e manifestá-la no mundo e com o mundo (e nesse caso do NECITRA enquanto um lugar específico no mundo) observei que essa demanda por autonomia repercutia como um tensionamento para um “faça você mesmo!”, “seja o líder da sua vida!”, “vá atrás dos seus sonhos!”. Então, hoje, com leituras que abaixo cito e que me trouxeram novamente ao tema, quero destacar, mais uma vez, que não é disso que se trata!
Não é sobre vencer, pois todo caminho leva a lugar nenhum ou, em última instância, à morte. Não se trata de Poder. E para repetir mais um clichê: não é sobre ter, é sobre ser! Então não pode ser sobre poder, e sim sobre potência. Ainda que aumentar meu grau de potência me coloque em determinada condições no jogo de forças (e de poder) nos contextos onde atuo: mas prefiro entender, e propor como um possível entendimento, essa condição não como uma capacidade para dominar, mas para produzir encontros maiores em quantidade e em potência, para aumentar minha produção de efeitos no mundo. Para mover – penso como uma dança: qual música me afeta? Ou o silêncio? Como me movo? Ou prefiro o repouso? Com quem danço? Ou prefiro um solo?
Num coletivo como o NECITRA, onde impera a demanda por autonomia, não se trata de que todos sejam diretores, mas que cada um manifeste suas vontades e se constitua nesse contexto e relações: pode dirigir tanto quanto ser dirigido, quanto produzir, se engajar nas questões técnicas da cena… se todos forem diretores quem serão os dirigidos? Acontece que tem aí uma questão moral, um valor hierárquico…
Essa(s) questão(ões) me (co)movem como artista-pesquisador-educador-etc no mundo. Primeiro pois entendo que a educação tende a proceder por repetições dos padrões, enquanto um inserir o sujeito na sociedade – e em certa medida se sujeitar, portanto. Segundo, pela perspectiva dos discursos sobre a vontade (os hegemônicos) reforçarem o ideal do vencedor, de quem chegou ao topo, está acima, tem e é mais – do atleta no esporte aos heróis do cinema, passando pelo homem sedutor-pegador, pela mulher esbelta e sexy, a criança criativa e alegre, o vovô disposto e bem aposentado, a vovó boa de cozinha e da cuca… e por aí desnudando o machismo e outros ismos dos quais não me sinto apto a tratar (pois estou ainda travando contato com eles na minha própria constituição).
Finalizo esse exercício de pensamento com o disparador dessa escrita, Nietzsche que, quando leio, é como se eu tivesse dizendo aquelas palavras, e fosse mais inteligente do que sou:
Se em tudo que você quiser fazer começar por perguntar: “Quero fazê-lo um número infinito de vezes?”, isso será para você o mais sólido centro de gravidade… Minha doutrina ensina: “Viva de tal modo que você deva desejar reviver, é o dever – pois de todo modo você reviverá. Aquele para quem o esforço é a alegria suprema, que se esforce! Aquele que ama acima de tudo o repouso, que repouse! Aquele que ama acima de tudo se submeter, obedecer e seguir, que obedeça. Mas que saiba onde está sua preferência e não recue diante de nenhum meio. Isso vale a eternidade! … Essa doutrina é doce para com aqueles que não acreditam nela: não tem inferno e nem faz ameaças. Aquele que não tem fé apenas sentirá em si uma vida fugitiva”. **
*o que me leva sempre ao questionamento de se é possível se auto-observar, quando quem seria este que observa e este observado, são dois? sou dois? suponho que sejamos múltiplos… mas quem são esses e qual hierarquia suposta em que um pode observar o outro? E este outro observado sabe que assim o é? E o que me garante que este eu que observa o outro eu tenha determinado atributo analíitico e sensível para chegar a alguma conclusão que possa me levar a algum outro lugar… e qual seria esse outro lugar? há um lugar para chegar? Acredito que não enquanto chegada, mas como passagem… Enfim, faltam alianças teóricas (no caso, estudo) para essa questão dos múltiplos eus…
** Citação feita no por Deleuze no livro Nietzsche a partir de três fragmentos póstumos, da tradução francesa de Vontade de Potência, segundo Roberto Machado no livro Deleuze, a arte e a filosofia, de onde tirei a citação, na p. 97.

Devaneios para sair dos caminhos

Eis que voltamos para caminhos passados, vencidos, gastos, clichês. Caminhos nossos não só nossos, caminhos dos que nos são contemporâneos, caminhos de uma cultura. Caminhos do humano, demasiado humano. Caminhos: atitudes, escolhas, hábitos. Pensamentos.

Entre tantas possibilidades… da multiplicidade, da vida… nos repetimos.

Suspeito que cada pensamento (que define escolhas, move atitudes e consolida hábitos) tem uma massa. Não tal qual a massa da matéria de nossos corpos, humanos, mas trata-se de corpos. Trata-se portanto de energia. Conclui-se então, com Newton, que todo corpo atrai os outros corpos e, quanto maior a massa desse corpo, maior sua atração. Pensamentos-corpos.

Assim, suspeito, cada pensamento aumenta sua massa, cresce enquanto corpo, cada vez que voltamos a ele. Cada vez que o alimentamos, muitas vezes em segredo, nossos pequenos grandes monstros, sombras. Assim também com os pensamentos que nos potencializam, nos afetam e movem em direção ao novo – que se dá mais na ordenação das coisas, de sua composição, do que das coisas em si. Contudo, os caminhos velhos, gastos, mancos e gagos – em seu grau de potência – estão sempre, paradoxalmente, presentes e fortes em sua força de atração: e para lá vamos, passivas ovelhas andando na trilha, no trilho. Mas apresentando-se para si mesmos como leões, tentando acreditar, e no geral conseguindo, ao menos num primeiro momento, que se está sendo forte e tomando o caminho que tem que ser tomado. Bravos leões.

(Desculpas para com as ovelhas. Nem todas são passivas. Nem fracas. E nem toda passividade é ruim. Todo corpo é potente, tanto a ovelha quanto o leão: essas imagens batidas, repetidas, clichês, são também caminhos que repetimos, na vida, nos textos. Sacramento!)

De fato, cansa essa luta contra a repetição, esse tentar mudar o caminho: falta um mapa!

Sente-se que um sentar em frente a TV resolveria os conflitos pessoais (seriam pessoais?), enquanto se participa de conflitos de personagens. Enquanto sente-se, por procuração, a adrenalina do que vive a personagem, o atleta.

E mesmo quem teima em tomar os rumos repetidos, precisa também pausar, precisa, talvez, momentaneamente, se entregar ao mesmo, ao repetido, deixar-se apagar nos trânsitos ordenados pelos vícios de uma era, ser mais um – talvez não seria uma neurose a repetição no querer não repetir? Prepotência pensar ser diferente? Um desejar o novo ou o que quer que seja não esse mesmo? Ou não perceber no mesmo o diferente?

Um mapa! É preciso desenhar um mapa. Desenho, criação. Visualizar os caminhos já conhecidos, ter uma breve noção do fora, saber por onde entrar nele, mesmo que não tenha portas: caberia só sair do caminho, da repetição para acessar esse outro, esse fora? E qual seria o caminho para sair do caminho?

Seria então a vida viver esse incômodo: de saber-se humano, demasiado humano. Perceber-se voltando para os mesmos lugares, repetindo pensamento e atitudes. Seria a vida essa resistência, não de conduzir-se para outro lugar, mas de resistir não voltar para o mesmo – e deixar estar, deixar que um outro, inominado, me afete. E sofrer as consequências da insegurança, do não entender, do não conhecer, do não saber. E nesse estado vibrar, mexer, mover, mudar.

Seria a vida então resistir a voltar. Seria vida buscar esse fora. Esse não conhecido. Esse outro. Seria a vida então um espaço-momento de exercício, de estar e jogar. E de com isso acessar/criar a sabedoria, que pode estar na composição com o que me toca e compreendo, tanto quanto num saber de um inconsciente coletivo, ou de uma consciência cósmica, ou outro nome para isso que não conhecemos e não conheceremos em pleno. É um exercício num jogo entre onde estão presentes a sabedoria e a  loucura. E sabedoria e loucura seriam opostos? A sabedoria não seria uma possível compreensão – e não ordenação – do que a loucura não consegue apreender, e por isso se perde em si, e fora, estando dentro?

A diferença estaria num centramento, que não é controle. Seria não rumar para os lugares seguros. Seria estar vivendo o caos, uma vida intensiva, onde consigo estar pois a massa de meu corpo é mais forte do que a massa desses pensamentos, desses hábitos repetidos. E por isso me possibilito não a fuga ao conhecido, mas me manter com o que me afeta, deixar estar, aceitar. Assim, não retornamos para os corpos-pensamentos-hábitos, não aumentamos a sua massa e o seu poder de atração, ao contrário, deixamo-nos ser afetados pelo o que nos vem de fora, e nossa corpo então aumenta sua massa, sua potência. Aumenta então sua força de atração, seu centramento. Abandonamos a prepotência de sermos sujeitos e nos permitirmos ser matéria viva que participa de um movimento maior.

Aumenta nossa capacidade de centramento, de energia que pode ser modulada, mas que sobretudo vibra e move-se em direções que, talvez na maioria das vezes, não poderemos definir: querer controlar modos e direções é perder essa potência, controle seria o contrário de centramento. Aumentar sua massa não aumentaria seu controle portanto. Trata-se de potência de atrair energias e de ser um corpo-caminho possível por onde passa essas possibilidades, um lugar de manifestações, de visibilidades. Seu corpo é obra, é matéria para manifestação da vida, para dar forma ao que, fora, é informe. Seu corpo é acontecimentos.

 

 

 

Por que participar do NECITRA?

Em tempo de começos e recomeços, reescrevo o já dito. Reafirmo as certezas entre as incertezas. Em tempo de retomada das atividades e de audição, a pergunta que se repete:

 

Por que participar do NECITRA?Mosaico Desdobramentos

 

A resposta, do meu ponto de vista, só pode ser: Porque você deseja!

 

E embora pareça uma questão simples, e até óbvia, ela é carregada de significados e significância.

 

Sendo o desejo movido por um objeto, imagem, lugar, ou estado no qual queira se encontrar, possuir, ou estar, é importante analisar do que é constituído este “outro”– sem isso, corremos o risco de projetar neste desejos internos e, no futuro, não tendo essas expectativas sido correspondidas, brochar. Contudo, eis que são esses desejos internos que podem, e devem, ser projetados no NECITRA. Desde que conscientes de si, e comprometidos em sua autonomia e responsabilidade perante as ações que vão dar corpo a essas vontades… O núcleo busca se constituir como um espaço instrumentalizado para possibilitar movimentos que surjam a partir desses desejos… Nesse sentido gostaria de delinear do que tem se constituído o NECITRA, e como tem se dado esse agenciamento de desejos:

1º Ele não é, está sendo.

O NECITRA é fruto das pessoas que aqui estão, das suas produções e das demandas que emergem do coletivo, para as quais são definidos procedimentos e funções a serem cumpridas por seus integrantes. Com isso, se mantém uma estrutura adequada a esses desejos e movimentos que constituem esse espaço: projetos em estudos, produções, criações, e outros.

2º Para resumir, o NECITRA é um espaço/coletivo/grupo projetado como uma plataforma, onde os artistas podem se aprimorar e desenvolver seus próprios trabalhos – quer seja como ator, bailarino, circense, performer, diretor, videomaker, etc. Para isso podem se amparar nos colegas em trocas, orientações e participações em projetos coletivos. A Canto – Cultura e Arte é a empresa que trata da administração contábil e jurídica do NECITRA, participando direta e indiretamente da sua gestão. O núcleo, através de seus integrantes, ocupa vários espaços com ações artísticas e educativas.

3º Você, como um ser desejante, deve ter definido os porquês de ter se tornado um artista/educador. Sabe, portanto, os motivos de querer criar, ensinar, aprender, apresentar. Concluo, então, que precisa estar disposto (e organizado) para essas trocas e compartilhamentos. Somos um coletivo onde impera a diversidade em processos contínuos. Nesse andar, utilizamos de reuniões regulares que buscam manter a coesão desta estrutura, sempre objetivando solucionar as questões atualizando os processos, trazendo questões específicas no intuito de aprimorar o todo. Quando o indivíduo se fortalece, o coletivo também. Quando o coletivo se fortalece, o indivíduo também.

Particularmente, acredito que os processos sociais nos quais estamos inseridos (família, escola, participações na esfera pública, política) não estimulam a autonomia, e promovem poucos espaços potentes para o protagonismo, para o ativismo. O NECITRA é um espaço/grupo que busca potencializar a potência já existente em cada um. Oferece ferramentas para isso. Nos oferecemos, uns aos outros, como suporte para o andar de cada um. Andamos todos.

Não se trata exatamente do seu objetivo em participar do grupo e sim da sua postura: de ser atuante, de estar disposto.

Que o desejo presente em cada um se expresse em movimento, mesmo que não orientado em direção específica. Eventualmente, entre tantas possibilidades, encontramos o nosso caminho – ou caminhos.

NECITRA como lugar de possibilidades.

Nenhum vento é favorável para quem não sabe onde quer chegar. Mas ficar à deriva também tem seu valor. Cada valor a seu tempo.

Ponto, linhas e paisagens.

As vezes acredito mais nos processos coletivos, as vezes menos. Na semana passada transitei entre estes dois pólos. Registro aqui alguns pontos que formaram as linhas deste pensamento, projetados nestas linhas de escritas. O ponto de partida, da escrita, ocorreu o dia 05 de julho, após uma reunião no IEACen… o ponto de partida, dos pensamentos, no dia anterior.

No Desdobramentos 1
Parte final da 1ª edição do Desdobramentos – projeto coletivo

Dia 04 de julho, Casa Cultural Tony Petzhold.

Começo a condução de mais um encontro do NECITRA, com a rotina de aquecimento/condicionamento físico. Percebo que o grupo, inclusive eu, está disperso e cansado. Interrompi então a rotina no final da primeira de duas partes, para propor um jogo.

Uma proposta bem aberta, que de início provocou um certa inquietação (e questionamentos) pela falta de especificidade desta proposta… O jogo: entrar em cena quando quiser, sair quando quiser. Propor uma ação, criar um contexto, um jogo, o que quiser, como quiser. Outros entram nesta cena, compartilham, complementam, contrapõem, mudam, repetem, como quiser…

E o jogo se fez, e a conversa, logo após, se iniciou.

Após as primeiras falas, eu abordei as questões levantadas da seguinte forma: “Ouvi em algum lugar o seguinte dizer: quer conhecer alguém de verdade? Coloca ele para jogar…”

Se falou, durante a conversa, da falta de convergência no jogo, da falta de atenção nas propostas. Questionei então: não é isso que tende a acontecer nos processos coletivos?

Se comentou então de, às vezes, mesmo compartilhando a cena, se sentir só. E eu pergunto agora, e lá: mas ficar só estando junto é estar só? A diferenças que se manifestam nos caminhos individuais dentro dos processos coletivos acabam por suscitar esta sensação de solidão. Acredito. Mas se diferentes, estamos juntos, convergindo algo sob os mesmos procedimentos, então não estamos sós. E os procedimentos são os meios com os quais convergimos este algo: a criação.

Somos criadores, compartilhando o mesmo espaço (o mesmo canto). Somos do circo, da dança, do teatro, das artes visuais. Somos artistas e produtores que acreditam – às vezes mais, às vezes menos – que a colaboração nos aprimora em nosso fazer, que o compartilhamento dos processos nos deixa mais conscientes, se vendo no olhar do outro. Que assim nos potencializamos. Acreditamos, às vezes mais, às vezes menos.

E a conversa se deu, do jogo do jogo, para o jogo do dia-a- dia. Para a importância do estado presente no jogo, para o estado presente no treino, no ensaio, na autonomia para ser o proponente, o diretor,  o coreógrafo de seus próprios atos.

E os pontos de vista compuseram linhas convergentes e divergentes. Mas as linhas são abstrações, composições de pontos sobre pontos. E o NECITRA é a convergência de linhas compostas por estes pontos que, transversalmente, se cruzam: uma paisagem complexa que se sustenta, enquanto se sustentam os proponentes destes pontos.

E assim foi o dia 04 de julho, uma composição de pontos num canto, onde o núcleo amadureceu mais um pouco, e cada um de nós, na aceitação da diferença, estando sós estando juntos, sendo um ponto que monta uma linha, uma linha que é um núcleo…

IEACen
IEACen, Casa de Cultura Mário Quintana

Dia 05 de julho, Instituto Estadual de Artes Cênicas, Casa de Cultura Mario Quintana.

Reunião para tratar de evento de dança a ser realizado no 2º semestre. Proposição feita pelo IEACen, para ser discutida e reformulada em conjunto com as entidades: ASGADAN, SATED, Grupo Experimental de Dança de Porto Alegre e cursos de dança das universidades.  Novamente entra em cena a questão do coletivo. Neste caso, a partir de coletivos instituídos, de representatividades do setor.

Hoje, dia 08 de julho, tento finalizar o texto iniciado no dia 05, após aquela reunião. Nas três horas que se passaram, permaneci no escritório, pensando, e me pus a escrever, para tentar organizar as ideias, unir os pontos. Não consegui tal êxito, nem lá, nem cá. Mas sei que, naquele dia, tal como no dia anterior – em processos coletivos bem distintos – fui atravessado por um satisfação em propor, vivenciar e compartilhar esses processos. Sei que, naqueles momentos, os pontos de vista convergiram, na maioria das vezes, em linhas de pensamento, na criação de projetos colaborativos, na organização de gestões coletivas.

E para o ponto final, deixo um ditado oriental, que li na parede de um banheiro, em um restaurante, em 2011, Caxias do Sul:

“Nenhum de nós é mais inteligente do que todos nós”.

Mas, complemento: só existirá inteligência coletiva quando houver uma convergência mínima nos pensamentos, nas ações, nas produções. Já que, pontos dispersos podem não formar nada, podem não formar uma paisagem, podem ser somente pontos. Pontos que formem linhas. Linhas que formem contornos, direções… Aí entraríamos nos projetos, nas consequências… Aí estou refazendo a paisagem deste blog… Aí estou devaneando… Aí paro por aqui. Boa noite. Ponto. Agora final mesmo. Ponto.

.

Consequente ou consequência?

Céu

Tenho pensado e escrito sobre questões e questionamentos que aqui vou configurar sobre essa pergunta: eu sou consequente ou consequência? Eu, você, e os demais…

Já escrevi aqui da importância que invoco aos projetos, bem como da relação da vida com o andar, com os processos, com a permanência.

Então, sou consequente ou consequência neste viver? Considerando todo processo entre o nascimento e a morte, considerando as escolhas dentro de um sistema pré-determinado, como me relaciono com isso, como me posiciono frente a vida, a sociedade, às pessoas.

Quero então resumir, não de forma inconsequente (espero), mas delimitando palavras-conceitos: consequente e consequência.

Consequente: pessoa que decide ser decidido. Individuo que escolhe ser individual, único, que define escolhas, que projeta seu futuro. Sujeito que está sujeito as curvas da vida, aos tropeços, mas está e é sujeito por escolha. Mede, decide, opta, e arca com as consequências. Sofre por escolhas, consciente, íntegro.

Consequência: sujeito que está alheio aos processos (seus e do todo), que é levado pelos fatos, que roda na esteira do sistema, e é consequência deste. Indivíduo que se assemelha aos demais, um indivíduo que é copia de um modelo, ou tenta ser, ou tentam que ele seja. Sofre por que aconteceu, por que a vida quis, por que não tem como ser diferente, porque vê a vida assim, porque  vê o que é mostrado, não o que escolhe ver.

Esta relação está colocada na física quântica sobre os conceitos de causação ascendente e causação descendente. No primeiro caso, somos causados pelo meio, pela matéria, pela sociedade, poderíamos dizer  que somos um produto. No segundo, somos causadores do meio, somos a causa, projetamos o mundo, projetamos no mundo, criamos, somos produtores. No primeiro, somos consequência, no segundo, somos o consequente.

Provavelmente você, ou alguém, pensou ou disse: não é tão simples assim. Não, não é. Mas como me apetece dizer: para fazer, é só fazer. Para começar, é só começar.

Simples assim, só que não.

Estar ciente, presente, é o começo.

Desdobramentos 1: começando a desdobrar

Desdobramentos todos

 

Projetos, para mim, tem funções primordiais na vida, cito:

1- Projetar, no sentido de lançar ao longe, vislumbrar um possibilidade futura, medir o tamanho da vida a médio e longo prazo (junto a isso, vem o planejamento!);

2- Romper a tendência a inércia, a apatia, a estagnação: como o sagitariano que lança a flecha e depois fica correndo atrás (só tomo cuidado para não me perder neste intermeio entre a partida e o ponto de chegada da flecha, de ser consistente no caminho);

3- Criar! O projeto é uma criação, e é aí que pulsa a vida, onde fica latente a potência de viver: o projeto é uma escolha minha, eu posso ser pretensioso, ou medíocre. 

4- O projeto agrega, o projeto junta, une pessoas. Criar projetos coletivos coloca um todo em prol de um objetivo, promovendo assim coesão em trabalhos colaborativos.

5- Projetos nos potencializam, não mais especificamente pela sua realização, mas pelo processo: projetamos algo, planejamos os procedimentos, administramos as escolhas, e lidamos com todos os contratempos que ocorrem a partir daí, pois a vida nunca é exatamente como planejamos, como projetamos, mas o projeto nos torna ativos nessas vivências onde o indeterminismo prevalece, mesmo que o projeto esteja determinado.

O Desdobramentos é mais um projeto, que demarca um momento e escolhas importantes nessa vida, nesta etapa da vida. Por acreditar em tudo isso, e nesse todo que compartilha esse projeto comigo, criei um vídeo com o intuito de compartilhar isso vocês – o público, os colegas, os amigos, os leitores deste blog -, sendo o vídeo parte do projeto. E o evento, no dia 02 de junho, o primeiro deles, começando a desdobrar: todos convidados!

Coisas que você precisa saber – se quiser.

consumismo

Essa é a postagem inaugural que resulta de um engajamento na pesquisa por informações (e compartilhamento delas!) sobre a produção, comercio e consumo de produtos. Ela é parte de uma busca pessoal por uma atitude não alienada, por uma presença crítica no consumo de bens e em ações concretas que possam diminuir os impactos ambientais: por exemplo, ter parado com o consumo de carne e a redução de produtos de origem animal, evitando alimentos industrializados e mantendo a coerência pessoal de somente comprar o necessário – de carregar pouco peso nessa vida.

Não se trata de entrar no discurso da sustentabilidade, tão frágil, mas de estar coerente com algumas questões relacionadas à saúde e, sobretudo, éticas:

– Como o budismo, que afirma que não posso viver bem e em harmonia, enquanto existir outros seres sofrendo. Lembro aqui da charge, que minha mãe leu na internet e veio me contar, pois associou a mim. Nela, um menino pergunta para sua mãe: porque o lobo mau é mau? – Porque ele quer comer os porquinhos – diz a mãe, completando – agora vem pra mesa comer seu sanduíche de presunto.

– Porque é essa hipocrisia, essa distância entre o que se diz e o que se faz, que trava a nossa evolução enquanto sociedade, enquanto seres humanos, espirituais (como quiser). Todos ficam chocados com a história de alguém ter maltratado um cão, mas comem tranquilamente gado, porco, galinha…

– Pelos prejuízos que o consumo de carne, derivados e alimentos industrializados podem trazer a saúde. O que são de fato todos aqueles produtos de nomes estranhos inseridos nos alimentos? Qual o efeito deles em meu organismo? Se está entrando no meu corpo, acho justo e responsável comigo mesmo, estar munido destas informações.

Qual o resultado das ações de uma sociedade consumista. De pensar em como seria o mundo se todos consumissem como eu? Como funciona toda essa engrenagem da industrialização, da sociedade de consumo, para manter o capitalismo?

Então, analisando este sistema, de onde vem (e para onde vão) as coisas?

Um eu de mim mesmo: um blog para transgredir a identidade

Enquadrado
Crédito: Martha Reichel Reus

Diegoesteves.in é o Diego Esteves na versão internet. Não se trata de uma réplica online de uma identidade física, uma vez que é justamente essa coerência identitária que me aflige e que busco, através desse meio virtual, e mais uma vez, transgredir.

Diego Esteves demarca, em nome, os contornos que delineiam um corpo físico. Uma forma-matéria, datada de nascimento e com fim incerto. Transcorre então toda uma vida mais ou menos autônoma e onde busco, ao máximo, a ação presente e consciente: ser protagonista neste processo – mesmo que isso signifique, na maioria das vezes, desapego e aceitação- e fazer da vida uma obra de arte.

Entendo e tomo o corpo (e suas manifestações) como um lugar de passagem, como o lugar de acontecimento, que afeta e é afetado. Com isso, tento me colocar nos contextos onde atuo receptivo a todas as forças que agem sobre ele, respondendo e atuando no sentido da potencialização – não do bom ou ruim, de certo ou errado, mas da potência, uma ética da potência. O que demanda entender os processos, os mecanismos, aceitar o que precisa ser aceito e se engajar em ações concretas, como projetos de vida.

Sujeito em jogo
Crédito: Martha Reichel Reus

O corpo é um lugar de combate, com toda a força necessária para se movimentar, carregando essa matéria que tende ao repouso, à estagnação. A identidade é mais uma representação desta tendência à estagnação. Diego Esteves não é uma identidade, é um nome dado a um processo delineado por um corpo (que como todo corpo, renova praticamente todas as suas células num período de sete anos). O que se sustenta nesse processo é uma história e uma ética, quanto ao resto, se trata de todo um todo de ações em diferentes contextos sociais. Essas ações podem ser identificadas, configurando então uma identidade, mas, uma vez que essas ações são mutáveis, assim como os contextos, tendo como pano de fundo uma coerência ética, as identidades são múltiplas.

Sendo assim, o que este espaço virtual faz é, num primeiro momento, registrar um pouco dessa história em projetos, obras, cursos, dentro de um contexto do mercado de trabalho, ou seja: uma espécie de portfólio, e de registro de processos artísticos.

Junto a isso, um engajamento político, na produção e publicação de material em texto, foto ou vídeo, tratando destes contextos sociais onde atuo, onde sou sujeito: como cidadão, artista, empresário, educador, produtor cultural, gestor público.